quinta-feira, 2 de junho de 2011

Carta da Terra/como trabalhar com crianças



                                             
                                        Fonte:Google/imagem acrescentada
A CARTA DA TERRA COMENTADA II - COM SUGESTÕES PARA TRABALHOS COM CRIANÇAS(Módulos de atividades dinâmicas indicado para professoras)


A CARTA DA TERRA COMENTADA II - COM SUGESTÕES PARA TRABALHOS COM CRIANÇAS

(Atividades indicadas para crianças das séries iniciais da educação básica)

 

Apresentação

 

 A Carta da Terra, documento elaborado por centenas de pessoas de diferentes segmentos, de diferentes países, é um forte referencial para o trabalho da Educação Ambiental/EA. Um novo conceito de pedagogia é trazido por Gadotti (2000): a Ecopedagogia. Este conceito ressalta a importância de trabalhar a educação dentro dos contextos ecológicos e ambientais, e para isto incentiva a utilização do documento A Carta da Terra.

Um trabalho com A Carta da Terra foi anteriormente sugerido para ser utilizado com os docentes, para que estes tenham a oportunidade de vivenciar e experimentar a força sensibilizadora que o documento tem, possibilitando e favorecendo uma mudança de postura frente a realidade e o cotidiano. Desta vez, este trabalho pretende levar a sensibilização da Carta da Terra às crianças, através dos/as professores/as. Como eles/as poderão utilizar a Carta da Terra com seus alunos e suas alunas?

O documento A Carta da Terra foi dividido em sete módulos que podem ser trabalhados com as crianças (cabendo adaptá-los para cada faixa etária, se necessário). O texto original sempre inicia cada módulo. Em seguida é feita uma adaptação do trecho – que será utilizado com as crianças -, tornando o texto acessível à compreensão infantil. Após a adaptação do texto, serão apresentadas sugestões de atividades. Estas atividades poderão ser desenvolvidas ao longo do ano letivo e servem como ponto de partida, podendo, cada professor/a, ampliar o leque de atividades de cada módulo. O trabalho torna-se mais rico se for feito um estudo dos vocábulos apresentados no texto. Espera-se que este trabalho possa colaborar com a inserção da EA nas escolas. O texto original da Carta da Terra é apresentado na cor preta para destacar das adaptações e sugestões de atividades com crianças. No final, está o documento adaptado na íntegra, bem como um pequeno glossário para suporte pedagógico.

Berenice Gehlen Adams

Junho/2003



  Módulo 1

A CARTA DA TERRA

UNESCO

PREÂMBULO
Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada vez mais interdependente e frágil, o futuro enfrenta, ao mesmo tempo, grandes perigos e grandes promessas. Para seguir adiante, devemos reconhecer que no meio de uma magnífica diversidade de culturas e formas de vida, somos uma família humana e uma comunidade terrestre com um destino comum. Devemos somar forças para gerar uma sociedade sustentável global baseada no respeito pela natureza, nos direitos humanos universais, na justiça econômica e numa cultura da paz. Para chegar a este propósito, é imperativo que, nós, os povos da Terra, declaremos nossa responsabilidade uns para com os outros, com a grande comunidade da vida, e com as futuras gerações.
ADAPTAÇÃO DO TEXTO: A Terra é o planeta onde moramos. Ela tem muitos e muitos anos de vida. Com o tempo os humanos começaram a transformá-la para poder viver melhor. Mas eles não perceberam que estavam deixando a Terra machucada. Muitos problemas estão acontecendo porque os humanos tiram muita coisa da natureza e produzem muito lixo. Se as pessoas mudarem a forma como tratam a natureza, será possível melhorar o ambiente. Cada um é responsável pelo que acontece com a Terra. Vamos cuidar do ambiente protegendo os animais, separando o lixo, plantando, consumindo menos. Todos os povos da Terra devem assumir este compromisso com a mudança.
SUGESTÃO: A partir da leitura do texto adaptado, realizar uma dinâmica que leve a uma reflexão das posturas de cada um em relação ao ambiente, propondo as seguintes questões: “Como é a Terra, nosso planeta?”, “Como é a vida na Terra, quem mora nela?”, “Quais são os tipos de vida que existem na Terra?”, “Como era antigamente o nosso planeta e como ele está hoje?”, “Porque nosso planeta está assim, tão poluído?”. Estas e outras questões serão levantadas pelo/a professor/a para uma reflexão em grande grupo. Uma música de fundo pode ser utilizada para facilitar a reflexão e envolver o sentido da audição. Um cartaz com gravuras contendo imagens que representem os problemas ambientais: poluição, lixo, guerra, desmatamento, queimadas, etc, enriqueceria a atividade.
Outras sugestões: realizar atividades em grande grupo como a criação de frases ou texto sobre a Terra; pesquisa sobre os problemas ambientais do bairro da escola; atividades artísticas envolvendo o tema: Terra; leitura do poema “O ABC da vida”.
 
O  ABC da vida...
 
Berenice Gehlen Adams
 
Devemos amar e respeitar:
A     ÁRVORE que dá sombra, que dá frutos.
A     BALEIA que vive a nadar pelo mar.
A     CACHOEIRA que vive a vida a correr.
O     DINOSSAURO que viveu há milhões de anos atrás...
A     ECOLOGIA que é a ciência que estuda a vida.
A      FIGUEIRA que é uma árvore frondosa e faceira.
A     GIRAFA que é pescoçuda como uma  garrafa.
O     HIPOPÓTAMO que é pesado e gosta de água.
O     ÍNDIO que vive em aldeias na mata.
O     JACARÉ que rasteja devagar e sabe nadar.
A     LARANJA que guarda um suco saboroso.
O    MAR que é imenso e tem água salgada.
A    NATUREZA que nos encanta com sua beleza.
O    OZÔNIO que protege a Terra.
O    PLANETA que vive a vida a girar.
O    QUATI que tem a cauda comprida com anéis de pêlos pretos.
O    RIO que corre para o mar como quem vai se atrasar.
A    SELVA que é um lugar habitado por animais selvagens.
A    TERRA que é o planeta em que vivemos.
O    UNIVERSO que é onde existem planetas, estrelas, asteróides.
O    VENTO que é o ar em movimento.
O     XAXIM que é planta que tem o tronco formado por raízes.
E     ZELAR  pelo nosso amado Planeta Terra.
 

Módulo 2

Terra, Nosso Lar
A humanidade é parte de um vasto universo em evolução. A Terra, nosso lar, está viva com uma comunidade de vida única. As forças da Natureza fazem da existência uma aventura exigente e incerta, mas a Terra providenciou as condições essenciais para a evolução da vida. A capacidade de recuperação da comunidade da vida e o bem-estar da humanidade dependem da preservação de uma biosfera saudável com todos seus sistemas ecológicos, uma rica variedade de plantas e animais, solos férteis, águas puras e ar limpo. O meio ambiente global com seus recursos finitos é uma preocupação comum de todas as pessoas. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é um dever sagrado.
ADAPTAÇÃO: A humanidade evoluiu muito. Descobriu o fogo, passou a criar objetos, roupas, ferramentas e ao longo de muitos anos chegou ao que estamos vendo hoje: muitas cidades, muitos mercados, muitas escolas, fábricas com produtos de todos os tipos. Nada disto existia na Terra. A população humana cresceu. Com isto muitas espécies de plantas e animais perderam seu espaço, pois não conseguiram sobreviver por causa do progresso dos humanos. Para que a situação não piore, precisamos agir para proteger o nosso ambiente.
SUGESTÃO: Ler este ponto da Carta da Terra (adaptação) para as crianças e propor uma reflexão sobre os hábitos de consumo. Utilizar uma técnica artística sugerindo que cada um crie um desenho, ou pintura cujo tema possa ser: “Objetos criados pelos humanos”, ou “Como era a Terra bem antigamente?”. Enquanto as crianças realizam a atividade, a professora ou o professor vai conversando sobre o assunto fazendo questionamentos que possibilitem a ampliação da reflexão. O texto abaixo também poderá ser utilizado para finalizar esta atividade.
É hora de agir!
Berenice Gehlen Adams
A Terra é o meio ambiente natural, formado por um conjunto de rios, lagos, montanhas, planícies, plantas, animais, seres humanos.
Apesar de os seres humanos pertencerem ao reino animal, apresentam uma diferença muito grande das demais espécies: o raciocínio.
Os animais, com exceção dos humanos,são irracionais (não pensam). Os animais agem por instinto. Com a capacidade do raciocínio, os humanos interferem mais intensamente no meio ambiente, transformando-o.
A evolução da humanidade chegou a tal ponto que perdeu o controle da situação ambiental. Incendeiam as matas para abrir estradas e construir prédios, envenenam as plantas que comem, poluem rios, mares, o ar, e têm uma tendência muito grande ao consumismo e ao acúmulo de riquezas. Consideram-se donos da Terra.
Não! A Terra não tem dono, e se tem, é ela mesma sua dona.
Se não fosse pelos animais racionais, que somos nós, humanos ditos civilizados, a Terra, com certeza, teria o ar puro, seus rios seriam limpos e o verde estaria predominando na crosta terrestre.
Em havendo a interferência do homem, o ambiente terrestre foi modificado e danificado brutalmente. Foram muitos anos de exploração da Terra e hoje, novos rumos devem ser tomados para que possamos ajudar a reestabelecer o equilíbrio do planeta. Para isso faz-se necessário agirmos localmente.
É hora de agir.
Vamos começar?
Veja o que você pode fazer:
- Separe seu lixo. Com esta atitude, você passará a perceber que é uma ação simples e de grande valia para a questão do lixo. Pode simplesmente separar o lixo "seco" do lixo "molhado", ou "orgânico" e inorgânico".
- Não deposite seu lixo na rua, em parques ou locais variados. Se você não encontrar uma lixeira, guarde o seu lixo até que encontre um local adequado para depositá-lo.
- Incentive a separação do lixo em ambientes de trabalho e educacionais.
- Torne-se criterioso ao adquirir produtos. Dê preferência aos produtos com embalagens recicláveis, produtos que já estejam inseridos no contexto ambientalista.
- Não desperdice energia elétrica ou água. A água é um recurso escasso que compromete a vida das novas gerações.
- Evite criticar os outros que não têm uma consciência ambientalista. Dê o exemplo, que tem muito mais valor do que as críticas.
- Antes de comprar alguma coisa, reflita se você necessita realmente do produto ou está sendo induzido a comprá-lo.
- Plante flores, árvores, temperos, folhagens. Se você não tiver um espaço, procure algum, sempre encontrará um lugar.
- Recicle e reutilize materiais que vão para o lixo.
Estas são algumas dicas que você pode incorporar no seu dia-a-dia.
A Terra precisa ser respeitada, valorizada e amada. É ela que nos dá condições de usufruir desta maravilhosa experiência que é a VIDA. Vamos cuidar bem dela!
São pequenas ações que podem trazer grandes benefícios para o nosso meio ambiente e para as futuras gerações. Hoje, temos um grande compromisso com a Terra que é re-estabelecer o equilíbrio dos ecossistemas e melhorar a qualidade de vida.

Módulo 3
A Situação Global
Os padrões dominantes de produção e consumo estão causando devastação ambiental, redução dos recursos e uma massiva extinção de espécies. Comunidades estão sendo arruinadas. Os benefícios do desenvolvimento não estão sendo divididos equitativamente e o fosso entre ricos e pobres está aumentando. A injustiça, a pobreza, a ignorância e os conflitos violentos têm aumentado e é causa de grande sofrimento. O crescimento sem precedentes da população humana tem sobrecarregado os sistemas ecológico e social. As bases da segurança global estão ameaçadas. Essas tendências são perigosas, mas não inevitáveis.
ADAPTAÇÃO: As grandes empresas e indústrias produzem muita poluição e tiram muitas coisas da natureza para fabricarem produtos que são comercializados. As pessoas compram estes produtos e sem perceber acabam comprando muitas coisas que nem precisam. Alguns produtos das fábricas de alimentos são prejudiciais à saúde porque têm: tintas, conservantes, sabores artificiais para ficarem bonitos e gostosos. Muitas pessoas chamam a industrialização de desenvolvimento. Este tipo de desenvolvimento tem trazido problemas para muitas pessoas, principalmente para as pessoas pobres. As empresas geram lucro para os donos que enriquecem as custas dos baixos salários que pagam para os empregados. Como tem muito desemprego, o salário é bem baixo porque sempre terá gente para trabalhar aceitando o salário que a empresa oferece. E isto precisa mudar, pois é uma injustiça muito grande.
SUGESTÃO: Após a leitura da adaptação desta parte do preâmbulo da Carta da Terra, propor uma reflexão sobre as formas de produção e industrialização dos alimentos e objetos e também sobre como ocorre o consumo destes produtos, através de perguntas lançadas a turma: “Quais as indústrias que vocês conhecem?”, “O que elas produzem?”, “O que acontece com as embalagens dos produtos consumidos?”, “Qual é o produto industrializado que vocês mais utilizam?”, etc. Após esta conversação, propor uma pesquisa sobre as empresas existentes no bairro da escola: o que produzem, como é a embalagem, para que serve o produto, etc. Discutir este levantamento com o grande grupo e fazer um painel (em grande grupo) sobre as empresas pesquisadas. Também pode ser feita uma visita ao super-mercado para ver como estes produtos são comercializados (ou em lojas). Poema para incentivo a pesquisa: Pesquisar.

 
                     Pesquisar
                           Berenice Gehlen Adams
Pesquisar é entrar
Na vida dos livros,
Em vidas vividas
Por reis e rainhas,
Em vidas vividas
Por bichos e plantas...
 
Pesquisar é entrar
Na vida real,
Na vida vivida
Por todos nós.
E quanto mais pesquisamos,
Mais curiosos ficamos,
Porque a pesquisa
Nos encanta e nos fascina,
Porque é da vida real
Que se criam os sonhos.
 
Pesquisar é entrar
Na vida dos bichos,
Na vida das plantas,
Na vida de rios e mares,
Procurando em cada canto
Um pequeno encanto.
 
E quanto mais pesquisamos
Mais percebemos que a vida
É cheia de cantos
E encantos secretos.
 
Na verdade, é pesquisando
Que aprendemos
O quão imenso é
O nosso universo.

Módulo 4
Desafios Para o Futuro
A escolha é nossa: formar uma aliança global para cuidar da Terra e uns dos outros, ou arriscar a nossa destruição e a da diversidade da vida. São necessárias mudanças fundamentais dos nossos valores, instituições e modos de vida. Devemos entender que quando as necessidades básicas forem atingidas, o desenvolvimento humano é primariamente ser mais, não, ter mais. Temos o conhecimento e a tecnologia necessários para abastecer a todos e reduzir nossos impactos ao meio ambiente. O surgimento de uma sociedade civil global está criando novas oportunidades para construir um mundo democrático e humano. Nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados e juntos podemos forjar soluções includentes.
ADAPTAÇÃO: Através da união das pessoas será possível criar soluções para melhorar o ambiente e melhorar a vida do planeta Terra. Podemos nos unir na escola, na comunidade, na igreja, nas empresas, ou em casa mesmo para formar grupos que pensem em soluções para problemas como: o lixo, o desperdício, a fome, a conscientização de comprar somente aquilo que realmente é necessário. Estes grupos podem realizar campanhas, festas, informativos para distribuir para a população. São iniciativas que colaborarão para a melhoria da qualidade de vida. Quando as pessoas se tornam menos consumistas, elas também se tornam mais humanas e mais solidárias. A solidariedade é fundamental para a criação de uma nova sociedade mais justa que valoriza a pessoa pelo que ela é e não pelo que ela tem. Devemos nos unir para cuidar da Terra.
SUGESTÃO: Após a leitura da adaptação deste módulo, propor uma reflexão sobre a importância da solidariedade e da justiça. Trabalhar os conceitos: SOLIDARIEDADE, COOPERAÇÃO, UNIÃO, CONSUMO CONSCIENTE, RESPEITO, CARIDADE. Perguntar o que as crianças pensam sobre cada conceito e a partir do conhecimento prévio exposto, acrescentar para cada conceito o que não estava claro, ampliando o significado de cada um. Também utilizar o dicionário para contextualização do significado da palavra. Após a pesquisa no dicionário, propor a criação de um texto (em grande grupo) utilizando os conceitos estudados. Pode ser em forma de história, poesia ou texto descritivo. Reproduzir o texto e distribuir para as turmas da escola (um por turma). Uma história para complementar a atividade e ampliar a reflexão:
A aventura de Pitinha
Berenice Gehlen Adams
 
Era uma vez uma sementinha de pinhão que morava grudada com muitas outras sementes. Elas eram suas irmãs. O nome da casa delas é pinha. Elas moravam num galho de um enorme pinheiro. Um dia, uma sementinha, a Pitinha, caiu da pinha e ficou no chão, sozinha e triste. Porém, logo, logo começaram a cair mais e mais sementes então Pitinha já não estava mais sozinha. Certo dia chegou uma gralha e começou a levar cada uma das sementes embora. Pitinha via e não entendia o que estava acontecendo até que um dia a gralha pegou-a com seu bico e saiu voando. Pitinha ficou com medo mas aos poucos já estava adorando o vôo. A gralha pousou em um galho de um enorme eucalípto para descansar e largou Pitinha. Pitinha aproveitou para perguntar: "Para onde está me levando?". E a gralha respondeu: "Algumas sementes eu como, outras, eu planto". Pitinha não entendeu e perguntou: "Como assim?", e a gralha lhe disse: "Eu vôo para o alto e a solto. Assim a semente que cai com a ponta para baixo entra para a terra e germina". Pitinha começou a entender e disse: "Quero me tornar um grande pinheiro e você vai me ajudar!". Sem nada mais a dizer, a gralha tomou Pitinha em seu bico e pôs-se a voar. Voou alto, muito alto até que, de repente, Pitinha começou a cair, cair, cair. Caiu certinho, com a ponta para a terra, e ficou ali, quietinha, faceira, esperando pela hora de tornar-se um lindo pinheiro.
* Conclusão da história: Assim como os animais precisam das plantas e das sementes, as sementes também precisam dos animais.

 
Módulo 5
Responsabilidade Universal
Para realizar estas aspirações devemos decidir viver com um sentido de responsabilidade universal, identificando-nos com toda a comunidade terrestre bem como com nossa comunidade local. Somos ao mesmo tempo cidadãos de nações diferentes e de um mundo no qual as dimensões local e global estão ligadas. Cada um comparte responsabilidade pelo presente e pelo futuro, pelo bem estar da família humana e do grande mundo dos seres vivos. O espírito de solidariedade humana e de parentesco com toda a vida é fortalecido quando vivemos com reverência o mistério da existência, com gratidão pelo presente da vida, e com humildade considerando o lugar que ocupa o ser humano na natureza.
Necessitamos com urgência de uma visão de valores básicos para proporcionar um fundamento ético à emergente comunidade mundial. Portanto, juntos na esperança, afirmamos os seguintes princípios, todos interdependentes, visando um modo de vida sustentável como critério comum, através dos quais a conduta de todos os indivíduos, organizações, empresas de negócios, governos e instituições transnacionais será guiada e avaliada.
ADAPTAÇÃO: A Terra é muito grande e nela vivem diferentes povos. Cada povo tem suas comunidades e sua cultura, que é a forma de vida das pessoas: como se vestem, o que comem, o que plantam, como convivem umas com as outras. Somos todos de diferentes lugares, mas temos necessidades iguais: alimento, moradia, trabalho e qualidade de vida. Se não temos qualidade de vida as outras necessidades ficarão comprometidas. Se todos temos as mesmas necessidades, devemos lutar para melhorar a vida de todo o planeta. Se cada um cuidar bem do seu ambiente, haverá uma melhora em todo o planeta. Estamos todos unidos por um mesmo ideal: conscientização ambiental. Desenvolvendo a consciência planetária estaremos desenvolvendo novos valores de vida que melhoram a convivência com todos os seres do planeta Terra. Para conseguirmos fazer isto é importante seguirmos alguns princípios, mas o que são princípios? É preciso definir claramente os princípios que queremos e devemos seguir para alcançar um mundo justo e sustentável.
SUGESTÃO: Propor uma reflexão sobre a importância da mudança, da cooperação, do respeito, da união. Pedir que as crianças citem palavras que envolvam as idéias de solidariedade, e o/a professor/a escreverá as palavras no quadro, por exemplo: amor, amizade, caridade, esperança... O/a professor/a faz uma divisão no quadro e pede: ”Digam palavras que são exatamente o contrário das que vocês me disseram”, e lista-as no quadro também. “Agora, vamos pensar sobre isto e em grupos (de até 4 crianças) vamos criar histórias e inventar uma cena onde apareçam dois conceitos, um bom e um ruim. Por exemplo: Maria juntou o lixo do chão e levou até a lata. Ela cooperou com a limpeza. Juca foi lá e virou a lata do lixo. Ele foi irresponsável”. A professora ou o professor vai auxiliando as crianças na construção das suas cenas. No final, todos apresentam e debatem sobre as cenas.

Módulo 6
PRINCÍPIOS
SUGESTÃO: Este ponto da Carta da Terra apresenta os Princípios que nortearão atitudes para a efetiva mudança (Os princípios também foram adaptados para uma linguagem mais acessível à compreensão da criança). Propor uma reflexão sobre a importância dos princípios. Dividir a sala em grupos e cada grupo recebe as seguintes tarefas: 1. Procurar no dicionário o que significa Princípio. 2. Criar um princípio para dentro da sala de aula. Após, realizada a atividade, verificar o que cada grupo fez, falar sobre a importância de termos princípios em nossas atitudes. Propor uma técnica artística (desenho, pintura, montagem, recorte-colagem, etc) com o tema: “Somos todos amigos da Terra”. Ao terminarem a construção do conceito de “princípio”, a professora lê os princípios abaixo e abre para o debate após a leitura de cada um deles – podendo utilizar vários dias para a realização desta atividade a fim de que não se torne cansativa para a criança.
PRINCÍPIOS DA CARTA DA TERRA
(Para que o texto não ficasse muito extenso foram suprimidos os princípios originais que podem ser lidos em http://www.revistaea.arvore.com.br/ volume 4 – CARTA DA TERRA COMENTADA COM SUGESTÕES PARA TRABALHO COM DOCENTES.)
1. Respeitar a Terra e todos os tipos de vida. Todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor; acreditar na dignidade de todos os seres humanos, no seu potencial intelectual, artístico, ético e espiritual.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor aceitando o direito de ter e usar os recursos naturais, bem como o dever de impedir causar danos ao meio ambiente e proteger o direito das pessoas. Aqueles que mais sabem e mais estudam tem a responsabilidade de colaborar e dividir este saber com todas as pessoas.
3. Criar sociedades justas, participativas, sustentáveis e pacíficas garantindo os direitos humanos e as liberdades básicas para todas as pessoas, independente da classe social, dando a cada um a oportunidade de desenvolver seu potencial. Sociedades onde as pessoas tenham condições de vida: alimentação, casa, roupa, educação saúde, e que sejam ecologicamente responsáveis.
4. Garantir a qualidade de vida na Terra para as atuais e as futuras gerações, reconhecendo a importância do cuidado com a Terra para que as atuais e próximas gerações tenham as mesmas condições e acesso à vida saudável.
5. Proteger a diversidade da vida na Terra. Proteger é uma ação de respeito. Devemos impedir todo tipo de desrespeito como maus tratos em geral (pessoas, animais, plantas).
6. Prevenir problemas ao ambiente e ter muito cuidado. Evitar fazer as coisas que sabemos que estão erradas como poluir, queimar, consumir demais, gastar muita energia, fabricar produtos prejudiciais. Assim estaremos prevenindo problemas.
7. Criar formas de produção, consumo e reprodução que protejam a vida na Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário. Produzir de forma moderada, consumir de forma moderada, informar as pessoas sobre o problema de ter muitos filhos e filhas.
8. Estudar sobre a vida na Terra e trocar experiências. Valorizar todos os tipos de conhecimento que contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
9. Acabar com a pobreza e resgatar os direitos humanos. Colaborar com o combate a fome e valorizar os alimentos evitando o desperdício.
10. Promover o desenvolvimento humano nas empresas e instituições. Que os empresários e as instituições que se posicionem em favor dos seus funcionários colaborando com a melhoria da qualidade de vida em todos os níveis.
11. Acabar com a discriminação contra as mulheres. Valorizar as mulheres evitando o desrespeito, pois elas são tão importantes quanto os homens.
12. Defender os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social. Eliminar a discriminação em todas suas formas, como as baseadas na raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
13. Fortalecer a democracia em todos os níveis. Que as políticas públicas façam valer os direitos e as necessidades dos cidadãos e cidadãs.
14. Incluir na educação formal (escola) e aprendizagem ao longo da vida (em casa, na igreja, na comunidade, no trabalho) os conhecimentos para um modo de vida que não prejudique o ambiente.  
15. Tratar todos os seres com respeito e consideração. Amar a todos os seres, pois todos são importantes e dignos.
16. Promover uma cultura do respeito, da não violência e da paz. Respeitar diferentes culturas, diferentes religiões, diferentes idéias de forma que todos possam viver em harmonia mesmo que pensem de formas diferentes. Isto não é fácil, mas será possível se seguirmos estes princípios.

Módulo 7
O CAMINHO ADIANTE
Como nunca antes na história o destino comum nos conclama a buscar um novo começo. Tal renovação é a promessa dos princípios da Carta da Terra. Para cumprir esta promessa, temos que comprometer-nos a adotar e promover os valores e objetivos da Carta.
Isto requer uma mudança na mente e no coração. Requer um novo sentido de interdependência global e de responsabilidade universal. Devemos desenvolver e aplicar com imaginação a visão de um modo de vida sustentável a nível local, nacional, regional e global. Nossa diversidade cultural é uma herança preciosa e diferentes culturas encontrarão suas próprias e distintas formas de realizar esta visão. Devemos aprofundar e expandir o diálogo global gerado pela Carta da Terra, porque temos muito que aprender da continuada busca de verdade e de sabedoria.
A vida muitas vezes envolve tensões entre valores importantes. Isto pode significar escolhas difíceis. Porém necessitamos encontrar caminhos para harmonizar a diversidade com a unidade, o exercício da liberdade com o bem comum, objetivos de curto prazo com metas de longo prazo. Todo indivíduo, família, organização e comunidade têm um papel vital a desempenhar. As artes, as ciências, as religiões, as instituições educativas, os meios de comunicação, as empresas, as organizações não governamentais e os governos são todos chamados a oferecer uma liderança criativa. A parceria entre governo, sociedade civil e empresa é essencial para uma governabilidade efetiva.
Para construir uma comunidade global sustentável, as nações do mundo devem renovar seu compromisso com as Nações Unidas, cumprir com suas obrigações respeitando os acordos internacionais existentes e apoiar a implementação dos princípios da Carta da Terra junto com um instrumento internacional legalmente vinculante com referência ao ambiente e ao desenvolvimento.
Que o nosso tempo seja lembrado pelo despertar de uma nova reverência face à vida, por um compromisso firme de alcançar a sustentabilidade, pela rápida luta pela justiça e pela paz e pela alegre celebração da vida.
 
ADAPTAÇÃO: Cumprindo os princípios da Carta da Terra estaremos colaborando para diminuir os problemas do meio ambiente. Mas para isto precisamos mudar nossas atitudes e nossa forma de viver. Juntos (indivíduo, família, escola, empresa, igreja, instituição) devemos procurar um caminho que leve a esta necessária mudança de padrões de vida.
 
SUGESTÃO: Propor um debate sobre o estudo da Carta da Terra. O que acharam, foi bom, foi ruim, por que... Após o debate, pedir que elaborem um cartaz com o título: A CARTA DA TERRA contendo gravuras, frases com mensagens de conscientização para expor na escola. Sempre que possível, no decorrer do ano letivo, associar os conteúdos trabalhados ao trabalho desenvolvido.
Conclusão
Este trabalho possibilitará as crianças uma vivência da Carta da Terra, incentivando mudanças de atitude e contribuindo para uma assimilação deste importante documento de referência para a prática da Educação Ambiental. A Carta da Terra é um compromisso ético com a integridade da vida em seu amplo contexto.

A CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS
ADAPTAÇÃO (Berenice Gehlen Adams)
PREÂMBULO
A Terra é o planeta onde moramos. Ela existe há muitos e muitos anos de vida. Com o tempo os humanos começaram a transformá-la para poder viver melhor. Mas eles não perceberam que estavam deixando a Terra machucada. Muitos problemas estão acontecendo porque os humanos tiram muita coisa da natureza e produzem muito lixo. Se as pessoas mudarem a forma como tratam a natureza, será possível melhorar o ambiente. Cada um é responsável pelo que acontece com a Terra. Vamos cuidar do nosso ambiente protegendo os animais, separando o lixo, plantando, consumindo menos. Todos os povos da Terra devem assumir este compromisso com a mudança.
Terra, Nosso Lar
A humanidade evoluiu muito. Descobriu o fogo, passou a criar objetos, roupas, ferramentas e ao longo de muitos anos chegou ao que estamos vendo hoje: muitas cidades, muitos mercados, muitas escolas, fábricas com produtos de todos os tipos. Nada disto existia na Terra. A população humana cresceu. Com isto muitas espécies de plantas e animais perderam seu espaço, pois não conseguiram sobreviver por causa do progresso dos humanos. Para que a situação não piore, precisamos agir para proteger o nosso ambiente.
A Situação Global
As grandes empresas e indústrias produzem muita poluição e tiram muitas coisas da natureza para fabricarem produtos que são comercializados. As pessoas compram estes produtos e sem perceber acabam comprando muitas coisas que nem precisam. Alguns produtos das fábricas de alimentos são prejudiciais à saúde porque têm: tintas, conservantes, sabores artificiais para ficarem bonitos e gostosos. Muitas pessoas chamam a industrialização de desenvolvimento. Este tipo de desenvolvimento tem trazido problemas para muitas pessoas, principalmente para as pessoas pobres. As empresas geram lucro para os donos que enriquecem as custas dos baixos salários que pagam para os empregados. Como tem muito desemprego, o salário é bem baixo porque sempre terá gente para trabalhar aceitando o salário que a empresa oferece. E isto precisa mudar, pois é uma injustiça muito grande.
Desafios Para o Futuro
Através da união das pessoas será possível criar soluções para melhorar o ambiente e melhorar a vida do planeta Terra. Podemos nos unir na escola, na comunidade, na igreja, nas empresas, ou em casa mesmo para formar grupos que pensem em soluções para problemas como: o lixo, o desperdício, a fome, a conscientização de comprar somente aquilo que realmente é necessário. Estes grupos podem realizar campanhas, festas, informativos para distribuir para a população. São iniciativas que colaborarão para a melhoria da qualidade de vida. Quando as pessoas se tornam menos consumistas, elas também se tornam mais humanas e mais solidárias. A solidariedade é fundamental para a criação de uma nova sociedade mais justa que valoriza a pessoa pelo que ela é e não pelo que ela tem. Devemos nos unir para cuidar da Terra.
Responsabilidade Universal
A Terra é muito grande e nela vivem diferentes povos. Cada povo tem suas comunidades e sua cultura, que é a forma de vida das pessoas: como se vestem, o que comem, o que plantam, como convivem umas com as outras. Somos todos de diferentes lugares, mas temos necessidades iguais: alimento, moradia, trabalho e qualidade de vida. Se não temos qualidade de vida as outras necessidades ficarão comprometidas. Se todos temos as mesmas necessidades, devemos lutar para melhorar a vida de todo o planeta. Se cada um cuidar bem do seu ambiente, haverá uma melhora em todo o planeta. Estamos todos unidos por um mesmo ideal: conscientização ambiental. Desenvolvendo a consciência planetária estaremos desenvolvendo novos valores de vida que melhoram a convivência com todos os seres do planeta Terra. Para conseguirmos fazer isto é importante seguirmos alguns princípios, mas o que são princípios? É preciso definir claramente os princípios que queremos e devemos seguir para alcançar um mundo justo e sustentável.
PRINCÍPIOS DA CARTA DA TERRA
1. Respeitar a Terra e todos os tipos de vida. Todos os seres são interligados e cada forma de vida tem valor; acreditar na dignidade de todos os seres humanos, no seu potencial intelectual, artístico, ético e espiritual.
2. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor aceitando o direito de ter e usar os recursos naturais, bem como o dever de impedir causar danos ao meio ambiente e proteger o direito das pessoas. Aqueles que mais sabem e mais estudam tem a responsabilidade de colaborar e dividir este saber com todas as pessoas.
3. Criar sociedades justas, participativas, sustentáveis e pacíficas garantindo os direitos humanos e as liberdades básicas para todas as pessoas, independente da classe social, dando a cada um a oportunidade de desenvolver seu potencial. Sociedades onde as pessoas tenham condições de vida: alimentação, casa, roupa, educação saúde, e que sejam ecologicamente responsáveis.
4. Garantir a qualidade de vida na Terra para as atuais e as futuras gerações, reconhecendo a importância do cuidado com a Terra para que as atuais e próximas gerações tenham as mesmas condições e acesso à vida saudável.
5. Proteger a diversidade da vida na Terra. Proteger é uma ação de respeito. Devemos impedir todo tipo de desrespeito como maus tratos em geral (pessoas, animais, plantas).
6. Prevenir problemas ao ambiente e ter muito cuidado. Evitar fazer as coisas que sabemos que estão erradas como poluir, queimar, consumir demais, gastar muita energia, fabricar produtos prejudiciais. Assim estaremos prevenindo problemas.
7. Criar formas de produção, consumo e reprodução que protejam a vida na Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário. Produzir de forma moderada, consumir de forma moderada, informar as pessoas sobre o problema de ter muitos filhos e filhas.
8. Estudar sobre a vida na Terra e trocar experiências. Valorizar todos os tipos de conhecimento que contribuem para a proteção ambiental e o bem-estar humano.
9. Acabar com a pobreza e resgatar os direitos humanos. Colaborar com o combate a fome e valorizar os alimentos evitando o desperdício.
10. Promover o desenvolvimento humano nas empresas e instituições. Que os empresários e as instituições que se posicionem em favor dos seus funcionários colaborando com a melhoria da qualidade de vida em todos os níveis.
11. Acabar com a discriminação contra as mulheres. Valorizar as mulheres evitando o desrespeito, pois elas são tão importantes quanto os homens.
12. Defender os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social. Eliminar a discriminação em todas suas formas, como as baseadas na raça, cor, gênero, orientação sexual, religião, idioma e origem nacional, étnica ou social.
13. Fortalecer a democracia em todos os níveis. Que as políticas públicas façam valer os direitos e as necessidades dos cidadãos e cidadãs.
14. Incluir na educação formal (escola) e aprendizagem ao longo da vida (em casa, na igreja, na comunidade, no trabalho) os conhecimentos para um modo de vida que não prejudique o ambiente.  
15. Tratar todos os seres com respeito e consideração. Amar a todos os seres, pois todos são importantes e dignos.
16. Promover uma cultura do respeito, da não violência e da paz. Respeitar diferentes culturas, diferentes religiões, diferentes idéias de forma que todos possam viver em harmonia mesmo que pensem de formas diferentes. Isto não é fácil, mas será possível se seguirmos estes princípios.
O CAMINHO ADIANTE
Cumprindo os princípios da Carta da Terra estaremos colaborando para diminuir os problemas do meio ambiente. Mas para isto precisamos mudar nossas atitudes e nossa forma de viver. Juntos (indivíduo, família, escola, empresa, igreja, instituição) devemos procurar um caminho que leve a esta necessária mudança de padrões de vida.

Pequeno glossário ambiental para suporte educativo desta proposta:
Área de Proteção Ambiental (APA) – categoria de unidade de conservação cujo objetivo é conservar a diversidade de ambientes, de espécies, de processos naturais e do patrimônio natural, visando a melhoria da qualidade de vida, através da manutenção das atividades sócio-econômicas da região. Esta proposta deve envolver, necessariamente, um trabalho de gestão integrada com participação do Poder Público e dos diversos setores da comunidade. Pública ou privada, é determinada por decreto federal, estadual ou municipal, para que nela seja discriminado o uso do solo e evitada a degradação dos ecossistemas sob interferência humana.
Assoreamento – processo em que lagos, rios, baías e estuários vão sendo aterrados pelos solos e outros sedimentos neles depositados pelas águas das enxurradas, ou por outros processos.
Aterro controlado – aterro para lixo residencial urbano, onde os resíduos são depositados recebendo depois uma camada de terra por cima. Na impossibilidade de se proceder a reciclagem do lixo, pela compostagem acelerada ou pela compostagem a céu aberto, as normas sanitárias e ambientais recomendam a adoção de aterro sanitário e não do controlado.
Aterro sanitário – aterro para lixo residencial urbano com pré-requisitos de ordem sanitária e ambiental. Deve ser construído de acordo com técnicas definidas, como: impermeabilização do solo para que o chorume não atinja os lençóis freáticos, contaminando as águas; sistema de drenagem para chorume, que deve ser retirado do aterro sanitário e depositado em lagoa próxima que tenha essa finalidade específica, vedada ao público; sistema de drenagem de tubos para os gases, principalmente o gás carbônico, o gás metano e o gás sulfídrico, pois, se isso não for feito, o terreno fica sujeito a explosões e deslizamentos.
Bacia hidrográfica – conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. A noção de bacias hidrográfica inclui naturalmente a existência de cabeceiras ou nascentes, divisores d'água, cursos d'água principais, afluentes, subafluentes, etc. Em todas as bacias hidrográficas deve existir uma hierarquização na rede  hídrica e a água se escoa normalmente dos pontos mais altos para os mais baixos. O conceito de bacia hidrográfica deve incluir também noção de dinamismo, por causa das modificações que ocorrem nas linhas divisórias de água sob o efeito dos agentes erosivos, alargando ou diminuindo a área da bacia.
Biodegradável – substância que se decompõe pela ação de seres vivos.
Biodiversidade – representa o conjunto de  espécies animais e vegetais viventes.
Bioma – amplo conjunto de ecossistemas terrestres caracterizados por tipos fisionômicos semelhantes de vegetação, com diferentes tipos climáticos. É o conjunto de condições ecológicas de ordem climática e características de vegetação: o grande ecossistema com fauna, flora e clima próprios. Os principais biomas mundiais são: tundra, taiga, floresta temperada caducifólia, floresta tropical chuvosa, savana, oceano e água doce. .
Biosfera – sistema único formado pela atmosfera (troposfera), crosta terrestre (litosfera), água (hidrosfera) e mais todas as formas de vida. É o conjunto de todos os ecossistemas do planeta.
Buraco da camada de ozônio – abertura resultante da redução da camada de ozônio na estratosfera, constatada entre setembro e novembro de 1989 na Antártida e que tem sido motivo de alarme. Essa camada é essencial à preservação da vida do planeta, porque filtra os raios ultravioleta do sol, mortíferos às células. Observações recentes mostram que o buraco tem se estendido até o extremo sul da América do Sul e à Nova Zelândia.
Camada de ozônio – camada de gás o3, situada a 30 ou 40 km de altura, atua como um verdadeiro escudo de proteção, filtrando os raios ultravioletas emitidos pelo sol. Gases nitrogenados emitidos por aviões e automóveis, assim como o CFC (clorofluorcarbono) tem efeito destrutivo sobre a camada de ozônio. O preço desta destruição é o aumento da radiação ultravioleta, o que provoca uma maior taxa de mutações nos seres vivos, acarretando, por exemplo, maior incidência de câncer no homem. Além disso, é muito provável a ocorrência de distúrbios na formação de proteínas vegetais, com comprometimento do crescimento das plantas e a redução das safras agrícolas. Admite-se que o clima sofra transformações, principalmente com o aquecimento da superfície do planeta.
Chorume – resíduo líquido proveniente de resíduos sólidos (lixo), particularmente quando dispostos no solo, como por exemplo, nos aterros sanitários. Resulta principalmente de água de chuva que se infiltra e da decomposição biológica da parte orgânica dos resíduos sólidos. É altamente poluidor.
Chuva ácida – precipitação de água sob a forma de chuva, neve ou vapor, tornada ácida por  resíduos gasosos proveniente, principalmente, da queima de carvão e derivados de petróleo ou de gases de núcleos industriais poluidores. As precipitações ácidas podem causar desequilíbrio ambiental quando penetram nos lagos, rios e florestas e são capazes de  destruir a vida aquática.
Ciclo vital – compreende o nascimento, o crescimento, a maturidade, a velhice e a morte dos organismos.
Cobertura morta – camada natural de resíduos de plantas espalhadas sobre a superfície do solo, para reter a umidade, protegê-lo da insolação e do impacto das chuvas.
Código Florestal – código instituído pela Lei nº 4.771, de  15 de setembro de 1965 em cujo artigo 1º está previsto que as florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do país.
Compostagem – técnica de elaborar mistura fermentada de restos de seres vivos, muita rica em húmus e microorganismos, que serva para, uma vez aplicada ao solo, melhorar a sua fertilidade.
Conservação da natureza – uso ecológico dos recursos naturais, com o fim de assegurar uma produção contínua dos recursos renováveis  e impedir o esbanjamento dos recursos não renováveis, para manter o volume e a qualidade em níveis adequados, de modo a atender às necessidades de toda a população e das gerações futuras.
Conservação do solo – conjunto de métodos de manejo do solo que, em função de sua capacidade de uso, estabelece a utilização adequada do solo, a recuperação de suas áreas degradadas e mesmo a sua preservação.
Dano ambiental – qualquer alteração provocada por intervenção humana.
Desenvolvimento sustentado – modelo de desenvolvimento que leva em consideração, além dos fatores econômicos, aqueles de caráter social ecológico, assim como as disponibilidades dos recursos vivos e inanimados, as vantagens e os inconvenientes, a curo, médio e longo prazos, de outros tipos de ação. Tese defendida a partir do teórico indiano Anil Agarwal, pela qual não pode haver desenvolvimento que não seja harmônico com o meio ambiente. Assim, o desenvolvimento sustentado que no Brasil tem sido defendido mais intensamente, é um tipo de desenvolvimento que satisfaz as necessidades econômicas do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras.
Eco-desenvolvimento – visão moderna do desenvolvimento consorciado com o manejo dos ecossistemas, procurando utilizar os conhecimentos já existentes na região, no âmbito cultural, biológico, ambiental, social e político, evitando-se assim a agressão ao meio ambiente.
Ecologia – ciência que estuda a relação dos seres vivos entre si e com o ambiente físico. Palavra originado do grego: oikos = casa, moradia + logos = estudo.
Ecossistema – conjunto integrado de fatores físicos, químicos e bióticos, que caracterizam um determinado lugar, estendendo-se por um determinado espaço de dimensões variáveis. Também pode ser uma unidade ecológica constituída pela reunião do meio abiótico (componentes não-vivos) com a comunidade, no qual ocorre intercâmbio de matéria e energia. O ecossistemas são as pequenas unidades funcionais da vida.
Ecoturismo – também conhecido como turismo ecológico é a atividade de lazer em que o homem busca, por necessidade e por direito, a revitalização da capacidade interativa e do prazer lúdico nas relações com a natureza. É o segmento da atividade turística que desenvolve o turismo de lazer, esportivo e educacional em áreas naturais utilizando, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentivando sua conservação, promovendo a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente e garantindo o bem-estar das populações envolvidas.
Educação ambiental – conjunto de ações educativas voltadas para a compreensão da dinâmica dos ecossistemas, considerando efeitos da relação do homem com o meio, a determinação social e a variação/evolução histórica dessa relação. Visa preparar o indivíduo para integrar-se criticamente ao meio, questionando a sociedade junto à sua tecnologia, seus valores e até o seu cotidiano de consumo, de maneira a ampliar a sua visão de mundo numa perspectiva de integração do homem com a natureza.
Efeito estufa – fenômeno que ocorre quando gases, como o dióxido ce carbono entre outros, atuando como as paredes de vidro de uma estufa, aprisionam o calor na atmosfera da Terra, impedindo sua passagem de volta para a estratosfera. O efeito estufa funciona em escala planetária e o fenômeno pode ser observado, como exemplo, em um carro exposto ao sol e com as janelas fechadas. Os raios solares atravessam o vidro do carro provocando o aquecimento de seu interior, que acaba "guardado" dentro do veículo, porque os vidros retêm os raios infravermelhos. No caso específico da atmosfera terrestre, gases como o CFC, o metano e o gás carbônico funcionam como se fosse o vidro de um carro. A luz do sol passa por eles, aquece a superfície do planeta, mas parte do calor que deveria ser devolvida à atmosfera fica presa, acarretando o aumento térmico do ambiente. Acontecendo em todo o planeta, seria capaz de promover o degelo parcial das calotas polares, com a conseqüente elevação do nível dos mares e a inundação dos litorais.
Erosão – processo pelo qual a camada superficial do solo, ou partes do solo, é retirada pelo impacto de gotas de chuva, ventos e ondas  e são transportadas e depositadas em outro lugar. Inicia-se como erosão laminar e pode até atingir o grau de voçoroca.
Estação ecológica – áreas representativas de ecossistemas destinadas à realização de pesquisas básicas e aplicadas de ecologia, à produção do ambiente natural e ao desenvolvimento da educação conservacionista ou ambiental. Nas áreas circundadas às estações ecológicas, num raio de 10 quilômetros, qualquer atividade que possa afetar a biota ficará subordinada às normas editadas pelo CONAMA. Têm o objetivo de proteger amostras dos principais ecossistemas, equipando estas unidades com infra-estrutura que permita às instituições de pesquisas fazer estudos comparativos ecológicos entre áreas protegidas e aquelas que sofreram alteração antrópica.
Extrativismo – ato de extrair madeira  ou outros produtos das florestas  ou minerais.
Fauna - conjunto de animais que habitam determinada região.
Fitoplâncton – conjunto de plantas flutuantes, como algas, de um ecossistema aquático.
Flora – totalidade das espécies vegetais que compreende a vegetação de uma determinada região, sem qualquer expressão de importância individual.
Floresta Nacional, Estadual ou Municipal – área extensa, geralmente bem florestada e que contém consideráveis superfícies de madeira comercializável em combinação com o recurso água, condições para sobrevivência de animais silvestres e onde haja oportunidade para recreação ao ar livre e educação ambiental. Os objetivos de manejo são os de reproduzir, sob o conceito de uso múltiplo, um rendimento de madeira e água, proteger os valores de recreação e estéticos, proporcionar oportunidades para educação ambiental e recreação ao ar livre e, sempre que possível, o manejo da fauna. Partes desta categoria de unidades de conservação podem ter sofrido alterações pelo homem, mas geralmente as florestas nacionais não possuem qualquer característica única ou excepcional, nem tampouco destinam-se somente para um fim.
Fotossíntese – processo bioquímico que permite aos vegetais sintetizar substâncias orgânicas complexas e de alto conteúdo energético, a partir de substâncias minerais simples e de baixo conteúdo energético. Para isso, se utilizam de energia solar que captam nas moléculas de clorofila. Neste processo, a planta consome gás carbônico (CO2) e água, liberando oxigênio (O2) para a atmosfera. É o processo pelo qual as plantas utilizam a luz solar como fonte de energia para formar substâncias nutritivas.
Habitat – ambiente que oferece um conjunto de condições favoráveis para o desenvolvimento, a sobrevivência e a reprodução de determinados organismos. Os ecossistemas, ou parte deles, nos quais vive um determinado organismo, são seu habitat. O habitat constitui a totalidade do ambiente do organismo. Cada espécie necessita de determinado tipo de habitat porque tem um determinado nicho ecológico.
Hidrosfera – parte da biosfera representada por toda massa de água (oceanos, lagos,  rios, vapor d'água, água de solo, etc.). 
Húmus – fração orgânica coloidal (de natureza gelatinosa), estável, existente no solo, que resulta da decomposição de restos vegetais e animais.
Impacto ambiental – qualquer alteração das propriedades físico-químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem-estar da população, as atividades sociais e econômicas, a biota, as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente, enfim, a qualidade dos recursos ambientais.
Impacto ecológico – refere-se ao efeito total que produz uma variação ambiental, seja natural ou provocada pelo homem, sobre a ecologia de uma região, como, por exemplo, a construção de uma represa.
Lixo nuclear – rejeito de reações nucleares, que pode emitir radiações em doses nocivas por centenas de anos.
Lixo tóxico – é composto por resíduos venenosos, como solventes, tintas, baterias de carros, baterias de celular, pesticidas, pilhas, produtos para desentupir pias e vasos sanitários, dentre outros.
Manancial – todo corpo d'água utilizado para o abastecimento público de água para consumo.
Manejo – aplicação de programas de utilização dos ecossistemas, naturais ou artificiais, baseada em teorias ecológicas sólidas, de modo a manter, de melhor forma possível, nas comunidades, fontes úteis de produtos biológicos para o homem, e também como fonte de conhecimento científico e de lazer.
Meio ambiente – Tudo o que cerca o ser vivo, que o influencia e que é indispensável à sua sustentação. Estas condições incluem solo, clima, recursos hídricos, ar, nutrientes e os outros organismos. O meio ambiente não é constituído apenas do meio físico e biológico, mas também do meio sócio-cultural e sua relação com os modelos de desenvolvimento adotados pelo homem.
Metais pesados – metais como o cobre, zinco, cádmio, níquel e chumbo, os quais são comumente utilizados na indústria e podem, se presentes em elevadas concentrações, retardar ou inibir o processo biológico aeróbico ou anaeróbico e serem tóxicos aos organismos vivos. 
Monitoramento ambiental – medição repetitiva, descrita ou contínua, ou observação sistemática da qualidade ambiental.
Nicho ecológico – espaço ocupado por um organismo no ecossistema, incluindo também o seu papel na comunidade e a sua posição em gradientes ambientais de temperatura, umidade, pH, solo e outras condições de existência.
ONGs – sigla de organizações não governamentais. São movimentos da sociedade civil, independentes, que atuam nas áreas de ecologia, social, cultural, dentre outras.
Parques Nacionais, Estaduais ou Municipais – são áreas relativamente extensas, que representam um ou mais ecossistemas, pouco ou não alterados pela ocupação humana, onde as espécies animais, vegetais, os sítios geomorfológicos e os habitats ofereçam interesses especiais do ponto de vista científico, educativo, recreativo e conservacionista. São superfícies consideráveis que contém características naturais únicas ou espetaculares, de importância nacional, estadual ou municipal.
Patrimônio ambiental – conjunto de bens naturais da humanidade.
Plano de manejo – plano de uso racional do meio ambiente, visando à preservação do ecossistema em associação com sua utilização para outros fins (sociais, econômicos, etc.).
Poluição – efeito que um poluente produz no ecossistema. Qualquer alteração do meio ambiente prejudicial aos seres vivos, particularmente ao homem. Ocorre quando os resíduos produzidos pelos seres vivos aumentam e não podem ser reaproveitados.
Predatismo – relação ecológica que se estabelece entre uma espécie denominada predadora e outra denominada presa. Os predadores caracterizam-se  pela capacidade de capturar e destruir fisicamente as presas para alimentar-se.
Preservação ambiental – ações que garantem a manutenção das características próprias de um ambiente e as interações entre os seus componentes.
Reflorestamento – processo que consiste no replantio de árvores em áreas que anteriormente eram ocupadas por florestas.
Reserva biológica – unidade de conservação visando a proteção dos recursos naturais para fins científicos e educacionais. Possui ecossistemas ou espécies da flora e fauna de importância científica. Em geral não comportam acesso a ao público, não possuindo normalmente belezas cênicas significativas ou valores recreativos. Seu tamanho é determinado pela área requerida para os objetivos científicos a que se propõe, garantindo sua proteção.
Reserva ecológica – unidade de conservação que tem por finalidade a preservação de ecossistemas naturais de importância fundamental para o equilíbrio ecológico.
Reserva indígena – área caracterizada por possuir sociedades indígenas. Geralmente, as reservas indígenas são isoladas e remotas e podem manter sua inacessibilidade por um longo período de tempo. Os objetivos de manejo são proporcionar o modo de vida de sociedades que vivem em harmonia e em dependência do meio ambiente, evitando um distúrbio pela moderna tecnologia e, em segundo plano, realizar pesquisas sobre a evolução do homem e sua interação com a terra.
Reserva da biosfera – o programa do Homem e Biosfera, das Nações Unidas, iniciou um projeto de estabelecimento de reservas da biosfera em 1970. Estas reservas devem incluir: amostras de biomas naturais; comunidades únicas ou áreas naturais de excepcional interesse; exemplos de uso harmonioso da terra; exemplos de ecossistemas modificados ou degradados, onde seja possível uma restauração a condições mais naturais. Uma reserva da biosfera pode incluir unidades de conservação como parques nacionais ou reservas biológicas.
Resíduos – materiais ou restos de materiais cujo proprietário ou produtor não mais considera com valor suficiente para conservá-los. Alguns tipos de resíduos são considerados altamente perigosos e requerem cuidados especiais quanto à coleta, transporte e destinação final, pois apresentam substancial periculosidade, ou potencial, à saúde humana e aos organismos vivos.
Seleção natural – processo de eliminação natural dos indivíduos menos adaptados ao ambiente, os quais, por terem menos probabilidade de êxito dos que os melhores adaptados, deixam uma descendência mais reduzida.
Seres consumidores – seres como os animais, que precisam do alimento armazenado nos seres produtores.
Seres decompositores – seres consumidores que se alimentam de detritos dos organismos mortos.
Seres produtores – seres que, como as plantas, possuem a capacidade de fabricar alimento usando a energia da luz solar.
Sucessão ecológica – seqüência de comunidades que se substituem, de forma gradativa, num determinado ambiente, até o surgimento de uma comunidade final, estável denominada comunidade-clímax.
Unidades de conservação – áreas criadas com o objetivo de harmonizar, proteger recursos naturais e melhorar a qualidade de vida da  população.

Referências
 
ADAMS, Berenice Gehlen. Projeto Vida – Educação Ambiental: http://sites.uol.com.br/projetovida
GADOTTI, Moacir. Pedagogia da Terra. São Paulo: Editora Fundação Peirópolis, 2000.

Contatos com a autora: projetovida@uol.com.br

7 comentários:

  1. puxa, tem tudo por aqui, não é PARABÉNS pelas inovações, divulgação e compromisso com nossa causa ambiental.

    um abração

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, meu nome é Roberta e estou fazendo pedagogia e a muito tempo trabalho com artesanato priorizando a preservação de meio ambiente, fiquei apaixonada pelo projeto e gostaria de saber como fazer parte.
    Meu site é www.bertabrasilbiscuit.com

    obs. são produtos 100% recicláveis !!!

    ResponderExcluir
  3. Prezada Roberta,
    OLá!!
    Acessei seu site e achei muito legal!!
    Posso divulgá-lo neste espaço ECO, e assim peço à você que divulgue o meu blog também ok?...
    Agradeço de montão a parceria!..
    Obrigada por sua participação aqui!
    **Não esqueça de seguir o blog!..leia e assista os vídeos que ensinam sobre ORIENTÃO FINANCEIRA para crianças e adultos...
    Abraços verdes/Luciana Ribeiro

    ResponderExcluir
  4. Muito bom esse site, tanto para professores quanto para alunos. Obrigada por todas as informações postadas. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Prezada Solange Lempk,
    Olá!
    Obrigada pelo comentário verde!
    Visite meu site ecopedagogia: www.ecopedagogia.bio.br/compartilhe, critique e dê sua opinião sobre os artigos e outros!..
    O trabalho de educação ambiental visa a divulgação de teorias e ações socioambientais/tudo para facilitar a implementação de atividades e projetos educativos!
    Bom final de semana!Att/Luciana Ribeiro

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Luciana estou admirada com seu trabalho, sou educadora em um Projeto Social em Rio Grande da Serra/SP, trabalhamos com famílias, idosos, crianças e adolescentes. E sempre orientamos os atendidos na questão dos cuidados que devemos ter com o nosso meio ambiente, a importância da reciclagem e reutilização de materiais...
    E tenho certeza que seu blog irá nos ajudar muito. Obrigado pela partilha que Deus te abençoe. Att, Gláucia Vicente

    ResponderExcluir
  7. Parabéns!! Muito bem feito e de ótima qualidade, contribuiu e muito.
    Gratidao.

    ResponderExcluir