terça-feira, 1 de novembro de 2011

Entrevista com Luciana Ribeiro no Blog Fura Bolha/Autora do Livro Ana Folha e a Turma do Lixão


                                        Ana Folha e a Consciência verde
A pedagoga Luciana Ribeiro lançou recentemente o livro Ana Folha e a Turma do Lixão, dirigido ao público infantil. O objetivo da autora é  contribuir na formação de uma consciência critica, ética e cidadã seguindo uma abordagem ecopedagógica. O tema central do livro   é sobre a preservação das florestas, celebrando 2011, declarado pela ONU como o Ano Internacional das Florestas.

Quem é Ana Folha?
É um personagem que foi escolhido pela mãe Terra para defender a natureza contra os malefícios que o homem tem feito a ela, como extrair recursos naturais de forma irracional.
Como é a personalidade dela?
É amorosa, corajosa, educadora e mobilizadora de sentimentos adultos e infantis voltados para a preservação das florestas, parques e tudo que seja verde no Brasil.

E quantos são os personagens que fazem parte da turma do lixão?
Seis personagens, a saber:
Maria Reciclada (boneca de lata e vidro): representa a reciclagem de pensamentos e ações humanas;
Zeca Adubado (boneco de tomate): representa a reciclagem de restos de alimentos;
Generosa (boneca de árvore): representa a reciclagem do papel;
Petrolito (boneco de plástico): representa os plásticos e os combustíveis dos carros;
Latona (boneco de lata): representa a reciclagem de latas
Transpareza (boneca de vidro):representa a reciclagem do vidro.
 Como é a relação de Ana Folha com a Turma do Lixão? Como ela acontece?
Ana folha propõe a sua turma uma nova forma de pensamento, ou seja, a de reorientar crianças para novos hábitos sustentáveis. Antes, tudo era um grande lixão, mas após uma longa conversa com os “amigos da natureza” (sol, água, árvore, onça pintada, ar e solo) sobre os problemas ambientais (desmatamentos de áreas verdes, poluições de água e ar; disposição incorreta de lixos etc), puderam rever acontecimentos e agir por meio de uma campanha educativa, realizada na cidade.

Como abordou o tema “Vamos preservar nossas florestas”, dentro da narrativa?
As florestas representam 80% da nossa biodiversidade mundial. Com o auxílio dos amigos da natureza (sol, água, árvore, onça-pintada, ar, solo), Ana Folha tornou-se fundamental para compreender acontecimentos e graves problemas provocados por ações humanas. Sendo assim, amparada por um diálogo que também foi mediado pela Carta da Terra (documento aprovado na Eco 92 que divulga os princípios políticos, éticos e de cidadania), deu início às resoluções necessárias para sanar problemas oriundos do lixão que ficava perto de uma área verde.

Como surgiu a idéia de desenvolver uma história assim?
Lendo reportagens e outros concernentes à educação ambiental no Brasil, comecei a ver a seriedade de problemas provocados pelos lixões das cidades (a começar pelos da minha cidade brasiliense), fato que me encorajou para sugerir a implementação de ações preservacionistas nos espaços de convivência social, por exemplo: a reciclagem do lixo.

Qual a faixa etária dos seus leitores?
De seis a nove anos de idade. Acredito que crianças de 10 anos também possam gostar da socialização de idéias da personagem Ana Folha e sua Turma.

Como foi o processo para a criação das ilustrações?
As ilustrações são de Juliana Ribeiro, irmã gêmea e parceira na realização dos trabalhos ecopedagógicos em Brasília, mas os personagens são de minha autoria.
O processo de criação se deu de forma bastante consciente, ou seja, englobando os pensamentos, angústias e sonhos, assim, vislumbrando ações educativas inerentes ao teatro, bate-papos  e tudo que possa servir de instrumento educativo na escola. E foi assim que os trabalhos foram sendo enraizados: com amor, determinação e boas sugestões vindas também de amigos, fãs e profissionais de Brasília.

Nas escolas, no que o livro já está contribuindo e quais as atividades que estão surgindo através dele?
O trabalho de divulgação do livro nas escolas começou recentemente.

E quais as atividades fora das escolas que também já estão acontecendo como conseqüência do livro?
Já recebi convites para divulgar o livro, e assim estou planejando dar palestras que sensibilizem educadores e educandos das escolas e faculdades.

Qual é a proposta da Circulo de Giz e qual seu trabalho na ONG?
Estamos organizando o Jornal Ecopedagógico, que divulgará matérias que inserem a educação ambiental em várias dimensões da vida humana; e  divulgando contatos de instituições públicas que executam trabalhos ecopedagógicos de como ensinar a reciclar o lixo para ajudar o meio ambiente.

Quais as atividades desenvolvidas na Circulo de Giz em parceria com o livro Ana Folha e a Turma do Lixão?
A ONG Círculo de Giz está divulgando meu trabalho nas faculdades e outras instituições, mas de fato o nosso trabalho consiste no desenvolvimento do Jornal Ecopedagógico.

E a partir dessa edição do livro o que está se planejando para o futuro?
Realização de cursos, palestras e oficinas voltadas para ecopedagogia.

Como cidadã, em seu cotidiano, quais as suas atitudes a favor da sustentabilidade?
Procuro economizar água, recursos no geral e reduzir o acúmulo de resíduos sólidos de forma desnecessária. E, claro, procuro vivenciar aquilo que estou de fato apregoando para amigos, conhecidos, profissionais e pessoas no geral.

Por que optou pelo debate sobre o meio ambiente na sua área profissional?
O planeta Terra é a nossa fonte de vida para beber, comer e vestir, contudo, ainda não é preservado pelo homem, fato que muito me chateia e intriga. O meio ambiente não pode ser visto somente como objeto de extração de recursos, como se todos não tivessem vida e nem tempo de duração. Portanto, acredito que a área socioambiental precisa de total reconhecimento e dedicação governamental. Contudo, o MEC, como um dos órgãos gestores da educação ambiental, poderia divulgar melhor as questões que envolvem o meio ambiente por meio da mídia televisiva, além de sempre contar com parcerias de outras instituições que já existem para nos ajudar.

Você leciona para quais turmas e faixas etárias?
Leciono para a educação infantil, e a faixa etária é de seis anos.

Qual é a sua experiência como pedagoga e qual sua visão sobre os caminhos da educação atualmente?
Formei-me no ano de 2008 e já tinha o Magistério com uma pequena experiência em sala de aula. Acredito muito no redimensionamento dos currículos dos Cursos de Pedagogia, por meio de uma visão ecopedagógica,a qual ajude os estudantes a debaterem as questões relacionadas ao lixo e todo tipo de poluição provocada pelo homem. Com isso, poderiam ser criadas formas educativas para lidar com tais questões emergentes.

Para você, o que é sustentabilidade e ecologia?
É um meio de discutir todos os dias tudo que têm acontecido no planeta, nossa fonte de vida, para realizarmos todas e quaisquer atividades e projeto de convivência humana de forma aceitável e harmônica.
Desejo trabalhar muito para sensibilizar pequenos e adultos.
Conto com a parceria e cooperação de todos os amigos, conhecidos e outros que possam ser conquistados para a realização dos trabalhos socioambientais.

Contato:
Facebook: Luciana Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário