quinta-feira, 12 de julho de 2012

Dia do Engenheiro Florestal



Reflorestamento é campo de atuação da profissão
No dia 12 de julho é comemorado o dia do engenheiro florestal, um profissional que trabalha pela manutenção da preservação da natureza.
Os engenheiros florestais protegem as formações de florestas através de conhecimentos da biologia, ecologia e das produções industriais de produtos das florestas, como de móveis, de carvão e de papel e celulose. Além disso, pesquisam e planejam quais as melhores formas de explorar os recursos da natureza, das florestas, garantindo o reflorestamento natural ou plantado pelo homem; fazem inventários florestais, com pesquisas das espécies encontradas em cada região e das características de cada espécie; desenvolvem pesquisas sobre a produção e a qualidade das sementes e mudas; tudo isso visando o menor risco ambiental possível.
Esses profissionais cuidam dos reparos dos desgastes e destruições causadas pelo homem, que mantém atividades predatórias nas florestas e destrói suas extensões; recuperando grandes áreas e melhorando a qualidade de vida de animais e do próprio homem.
Em razão da degradação ambiental, os engenheiros florestais atuam, hoje em dia, visando à conservação dos ecossistemas, onde propõem e sugerem técnicas de manejo florestal de sustentabilidade.
Através da manobra florestal, os engenheiros florestais controlam o plantio de madeiras e outros produtos vegetais, garantindo que não sejam destruídas as belezas naturais de várias regiões do país. Com o aumento das indústrias de papel e celulose no Brasil, a fiscalização desse setor ficou ainda mais rígida, tarefa atribuída a esses profissionais.
O homem necessita do ambiente em que habita, e com isso a engenharia florestal teve seu campo de atuação ampliado para garantir a preservação desses ambientes, podendo atuar também nos setores governamentais, agências de certificação ou como consumidores independentes.
A primeira escola de engenharia florestal implantada no Brasil surgiu em Viçosa, no ano de 1960, sendo transferida para Curitiba em 1963, e se desenvolveu a partir de 1971, em razão de convênios com a UFPR (Universidade Federal do Paraná) e a Universidade Albert-Ludwig, da Alemanha.
A partir de 1973, a faculdade inseriu em sua grade de cursos as especializações e os mestrados em Engenharia Florestal do Brasil, o doutorado na área surgiu apenas a partir de 1982.
Ser engenheiro florestal nos dias de hoje é muito difícil, pois a destruição dos recursos naturais acontece a todo instante. Contudo, aqueles que se especializaram em gestão ambiental atuam na inconstante busca pela melhoria da vida no planeta.
Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola 
Fonte: Brasil Escola

Nenhum comentário:

Postar um comentário