quarta-feira, 29 de abril de 2015

No ritmo atual, país levaria 129 anos para cumprir metas de saneamento



Data:29/04/2015

Por Fabrício Lobel e Felipe Souza

No ritmo atual, o Brasil demoraria 129 anos para cumprir metas federais de universalização do saneamento básico. Essa lentidão é a principal conclusão do Ranking do Saneamento Básico, do Instituto TrataBrasil. Ele avaliou o serviço nas cem maiores cidades do país.

Com só 39% da população com esgoto tratado, 0,3 ponto percentual acima do ranking de 2014, o país está longe de atingir as metas do Plano Nacional de Saneamento Básico, que prevê a universalização do serviço até 2033.

Enquanto isso, milhões de brasileiros vivem em ambientes de risco à saúde, sem contar os impactos na economia e na educação.

É o caso da auxiliar Rosemary Guedes, 42, que construiu um barraco na favela do Tanque, no extremo leste de São Paulo, há 20 anos.

"Todo dia aparece alguém doente, com dengue, e o lixo só aumenta. Quando casas caem, o governo vem aqui, mas não resolve nada", diz.

Ela e outras 150 famílias convivem com a rotina de caçar ratos e espantar moscas que rondam o fétido córrego que corta a região, no bairro de São Mateus.

Crianças brincam descalças ao lado da fossa a céu aberto, onde desemboca o esgoto do bairro todo e há acúmulo de entulho, cacos de vidro e muito lixo.

Segundo o ranking, em um ano, a coleta de esgoto (que falta na casa de Rosemary) subiu apenas 0,3 ponto percentual e atende agora 48,6% da população. O tratamento do esgoto também avançou 0,3 ponto percentual. Com isso, atingiu 39% do volume de água disponibilizado.

Já a população atendida com água tratada caiu 0,2 ponto percentual. O índice está agora em 82,5% dos brasileiros com acesso ao serviço.

Se for considerado o ritmo de avanço nos últimos cinco anos, o Brasil chegaria à universalização do saneamento em 129 anos. "Houve avanço, mas está muito distante das necessidades do país", diz o presidente do Instituto TrataBrasil, Édison Carlos.

Segundo o estudo, entre as cidades que não deverão cumprir a meta há capitais como Manaus (AM), Belém (PA) e Porto Velho (RO).

Carlos diz que era esperada evolução maior no saneamento das grandes cidades, pois elas concentram recursos e têm melhor estrutura que pequenos municípios. "Os grandes municípios sabem fazer licitação, têm capacidade técnica, acesso a crédito."

Com quase 500 mil habitantes, a capital de Rondônia nunca tratou um litro de esgoto. E, em 2013, só 2,7% do esgoto era captado.

Quase todo o esgoto de Porto Velho vai para fossas ou escorre até córregos e rios. Mesmo assim, a cidade investiu na área só 0,01% da arrecadação em 2013.

Já Franca (a 400 km de SP) ficou pela segunda vez seguida em primeiro lugar no ranking. Ali, toda a população tem acesso a água tratada e coleta de esgoto. O município trata 78% do esgoto.

Em seguida aparecem as cidades de Maringá (PR) e Limeira (SP). 

Matéria originalmente publicada no jornal Folha de S. Paulo



Nenhum comentário:

Postar um comentário